Maternidade tardia

Maternidade tardia

Maternidade tardia: A vida fértil da mulher é como se fosse uma ampulheta, com o tempo ela vai diminuindo e quando chega uma certa idade, muitas tem a sensação que a areia passa mais rápido, é como se vivessem uma luta contra o relógio e isso acaba causando muita angustia e ansiedade.

Antigamente era comum ser mãe entre os 17 e 25 anos, atualmente o que se percebe são mulheres que deixam para vivenciar o processo da maternidade bem mais tarde, muitas pensam em construir famílias bem menores que suas avós e mãe, é cada vez mais comum as mulheres decidirem investir na carreira profissional, nos estudos, pensando em se preparar para receber essa criança, ou seja, querem dar o melhor para seus filhos e com isso a maternidade vai ficando para mais tarde.

Perfil da Maternidade tardia

Existem vários perfis neste contexto, a mulher que tem medo de perder sua liberdade, aquela que quer estudar mais, aquela que acha que nunca vai poder parar de trabalhar, além do medo de adquirir essa responsabilidade e não ser capaz de lidar com essa nova fase.

O mais importante nesse processo é não idealizar demais esse momento, não existe o momento ideal, existe o momento possível.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram um aumento de nascimentos de mães com idade entre 30 e 39 anos, o total de mulheres grávidas com mais de 50 anos cresceu 40,6% no país na última década. Os perfis de mulheres que estão dando prioridade para a carreira e os estudos tem sido cada vez mais comum, essa faixa etária tem aumentado nos últimos anos.

Existem mitos sobre a gravidez tardia, portanto antes de decidir engravidar é importante procurar um especialista, fazer os exames necessários para se ter uma gravidez saudável, independente da idade a saúde da mãe e da criança esta em primeiro lugar e assim vivenciar esse momento sem culpa, angustia e estresse.

É importante ao decidir engravidar que esse seja um processo em conjunto com o parceiro, muitas vezes essa mulher esta preparada e seu parceiro não, ou acontece o contrário, o envolvimento dos dois nesse contexto é muito importante para essa criança, esse vínculo traz inúmeros benefícios para todos envolvidos.

É engraçado que às vezes ouço no consultório homens que dizem sentir todo o processo da gravidez da esposa, incluindo enjoos e desejos…. Ou seja, ele esta tão envolvido no processo da maternidade que acaba adquirindo alguns sintomas da gravidez de sua companheira.

É importante reforçar que ser mãe é uma bênção na vida de uma mulher e viver esse momento é algo único, o milagre da vida, do amor, da esperança, traz para uma mulher um aprendizado imenso, um amor sem medida, um amor que supera qualquer obstáculo e o mais importante nesse processo é controlar a ansiedade, se permitir ser uma mãe sem culpa, sem medo, apenas ser mãe.

Quero deixar aqui um Feliz dia das mães a todas essas mulheres que são anjo na vida de seus filhos.

DICAS DE BEM COM A VIDA

  • Reflita o que realmente é prioridade na sua vida;
  • Vivencie esse momento sem culpa;
  • Controle a ansiedade desse momento;
  • Não idealize demais;
  • Não se prenda a opinião alheia;
  • Compartilhe com seu parceiro sua decisão de ser mãe;
  • Se esse processo lhe causa angustia, procure um especialista;
  • Não existe o momento certo, existe o momento possível;
  • Lembre-se os desafios existem para serem superados;
  • Mesmo não sendo uma gravidez “planejada” viva esse momento com amorosidade, sem culpa, sem medo.
  • Seja feliz e aproveite esse momento único;

Click aqui para ler mais artigos sobre Qualidade de Vida e Bem Estar:

http://www.dilzasantos.com.br/noticias-e-publicacoes/

Click aqui para conhecer nossos serviços:

http://www.dilzasantos.com.br

Gostou dessa matéria ?

Deixe ou seu comentário, gostaríamos também de receber sugestões de assuntos que vocês gostariam de ver nas nossas publicações semanais.

Atenciosamente.

Dilza Santos

Deixe uma resposta